Instituto Açoriano de Cultura Página inicial | Arquivo de Newsletters | Associe-se | Contactos | Mapa do site
Newsletter
 
 

N.º 23 07/07/2016

CIDH Boletim #2

Divulgação das atividades realizadas entre os meses de abril e junho de 2016 no âmbito da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH), da Universidade Aberta:

Dicionário Família Franciscana em Portugal. Ordens e Outras Formas de Vida Consagrada


No dia 8 de abril, no Auditório Carvalho Guerra (no campus Foz da Universidade Católica Portuguesa – Porto), foi apresentado, por Henrique Manuel Pereira e Frei Mário Silva, o Dicionário Família Franciscana em Portugal. Ordens e Outras Formas de Vida Consagrada, dirigido por José Eduardo Franco e coordenado por Vítor Teixeira e por Susana Alves-Jesus.

Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade

  Entre 5 e 9 de abril, Fafe recebeu o Terra Justa: Encontro Internacional de Causas e Valores da Humanidade 2016, durante o qual se realizaram atividades de animação de rua, exposições, conferências, entre outras.

  No âmbito deste evento, José Eduardo Franco participou na Conferência do OLR – Observatório para a Liberdade Religiosa, Europa Refugiada –, discursando sobre o tema O Papel da Religião e da Laicidade nos (Des)encontros do Futuro.

Semana Cultural da Universidade de Coimbra

A 11 de abril, em Coimbra, decorreu a Tertúlia Conversas com Cultura. Esta atividade, que contou com a presença de José Eduardo Franco, constituiu-se como um momento de diálogo sobre a interculturalidade e a inter-religiosidade.

 

A Saudade na Geografia Feminina

   No dia 14 de abril, na Galeria Fernando Pessoa (Palácio da Independência, em Lisboa), realizou-se a inauguração da exposição A Saudade na Geografia Feminina, que trata o sentimento português da saudade através da pintura.

 

Academia(s) em Interface: 500 Anos / Cancioneiro Geral

  A 15 de abril, ocorreu, na FNAC do Colombo, a atividade Academia(s) em Interface: 500 Anos / Cancioneiro Geral, com a coordenação de Annabela Rita, durante a qual se refletiu acerca da lírica em questão, da medieval à contemporânea: uma festa da poesia e das suas leituras com participação diversa e multímoda.

 

Azulejaria de S. João de Deus em Portugal. 1615-2015História e Arte

  A obra Azulejaria de S. João de Deus em Portugal. 1615-2015História e Arte, de Augusto Moutinho Borges, foi apresentada por José Eduardo Franco no dia 20 de abril, no Palácio Fronteira, em Lisboa.

Dicionário dos Antis: a cultura brasileira em negativo

  A dia 26 de abril, no Auditório da ADUFS (Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe), decorreu a apresentação do Dicionário dos Antis: a cultura brasileira em negativo, projeto desenvolvido pela Universidade Federal de Sergipe, através do Núcleo de Estudos de Cultura (NECUFS), e pelo Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (CLEPUL).

  Na mesa redonda participaram José Eduardo Franco (Diretor da CIDH), Luísa Paolinelli (Universidade da Madeira/CLEPUL) e Luiz Eduardo Oliveira (Universidade Federal de Sergipe/NECUFS).

Encontro Mackenzie do Espaço Lusófono

  O III Encontro Mackenzie do Espaço Lusófono – Espaços de difusão da Língua Portuguesa, promovido pelo Centro de Comunicação e Letras/Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Presbiteriana Mackenzie, decorreu a 27 de abril, evento durante o qual  José Eduardo Franco proferiu a conferência inaugural Uma língua que se universaliza é uma língua que se desnacionaliza: A utopia global que a língua portuguesa veicula.

Congresso Brasileiro de Língua Portuguesa | Congresso Internacional de Lusofonia

Entre 28 e 30 de abril, realizou-se, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, o 16.º Congresso Brasileiro de Língua Portuguesa e o 7.º Congresso Internacional de Lusofonia do IP-PUC/SP – História, Memória e as Interacções Lusófonas. Neste evento, a conferência de abertura, intitulada A Unificação do Brasil: As reformas pombalinas e a construção da identidade brasileira, foi proferida por José Eduardo Franco.

Projeto Vieira Global

  No dia 2 de maio, na Universidade Federal de Santa Catarina, José Eduardo Franco proferiu uma palestra sobre o Padre António Vieira – Grandes linhas do pensamento de Vieira: A atualidade dos seus diagnósticos críticos e da sua utopia como caminho para a paz –, tendo-se igualmente realizado uma sessão de apresentação da Obra Completa Padre António Vieira editada pelasEdições Loyola.

GECAPA Talks/ Masterclass

  No dia 19 de abril, na 9ª sessão do GECAPA Talks (organizada pelo GECAPA – Gabinete de Estudos de Cultura, Artes Performativas e Audiovisuais –, do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa - CLEPUL e da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização - CIDH), Miguel Real falou sobre o tema Do texto-sólido ao texto-líquido no teatro português. Na sessão seguinte, a 4 de maio, na Escola Superior de Tecnologias e Artes de Lisboa, Raul Miranda discursou acerca doMinimale 2000 – 2016. Na 11.ª sessão, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, António Pinto Ribeiro fez uma apresentação sobre a temática Planar sobre as Américas, passado e presente.

Seminário de Educação para o Futuro

   Nos dias 6 e 7 de maio, no Museu de Imprensa, na Madeira, decorreu o III Seminário de Educação para o Futuro(Re)pensar o ensino. Neste evento, sobre temáticas relacionadas com o ensino, José Eduardo Franco apresentou uma palestra sobre o tema Da globalização à glocalização: educar para uma globalização do rosto humano.

Protocolo entre a CIDH e a Universidade Paris II

Seminário Permanente de Estudos Globais

 

  No dia 13 de maio, na Universidade Aberta, decorreu a inauguração do Seminário Permanente de Estudos Globais, atividade desenvolvida pela Imprensa-Nacional Casa da Moeda em parceria com a Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH). Foram oradores convidados Valérie Dellivard, da Universidade de Paris II-Panthéon Assas, que falou sobre Villes-Manifeste, Viriato Soromenho-Marques, da Universidade de Lisboa, que discursou sobre Desafios para o entendimento global. Para o novo modelo de gestão do planeta terra,e Carlos Fiolhais, da Universidade de Coimbra, que discorreu sobre Projetos globais. O caso das culturas em negativo: projeto Dicionário dos Antis.

  Esta sessão solene, na qual foi assinado o protocolo para a criação do Programa Doutoral Internacional em Estudos Globais, contou com a presença do Reitor da Universidade Aberta, do Presidente da  Universidade de Paris II-Panthéon Assas e do Presidente da Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

  No dia seguinte, no Salão Nobre do Governo Regional da Madeira, Fabrice D’Almeida, da Universidade de Paris II-Panthéon Assas, falou sobre Terrorismo, propaganda e globalização; nesta sessão foi assinado o protocolo de cooperação entre a Agência para a Promoção da Cultura Atlântica (APCA), a Agência Regional para o Desenvolvimento da Investigação, Tecnologia e Inovação (ARDITI), a UniversidadeAberta/Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização e a Universidade de Paris II-Panthéon Assas/Sorbonne Université.

 

 

 

 

Culturas Ibéricas e Eslavas em Contacto e Comparação

 

   Nos dias 24 e 25 de maio, decorreu, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a 10.ª Conferência Internacional da série Culturas Ibéricas e Eslavas em Contacto e Comparação, subordinada ao tema Da Utopia ao Utopismo: Fraternidade Universal e Outros Modos Utópicos

  Esta foi uma iniciativa da CompaRes – Associação Internacional de Estudos Ibero-Eslavos, em parceria com o Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (CLEPUL), a Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH), o Instituto Europeu de Ciências da Cultura Padre Manuel Antunes (IECCPMA) e outras instituições.

 

Ciclo de Estudos Televisivos | 25 frames por segundo

 

    Nos meses de abril e de maio, o Gabinete de Estudos de Cultura, Artes Performativas e Audiovisuais (integrado no Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa e na Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização), em parceria com a Rádio e Televisão de Portugal, deu continuidade ao ciclo de estudos, iniciado em janeiro, exclusivamente dedicado à criação audiovisual para televisão.

  Assim, no dia 4 de abril, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi apresentada a obra Riso e Ritmo, RTP 1965; a 11 de abril, Deixem Passar a Música: Viagem com António Pinhas Vargas,RTP 1987; no dia 18 de abril, Especial Silence 4, RTP 2000. Tendo como enquadramento estas três obras, no dia 28 de abril, realizou-se uma sessão de debate temático sobre a música, o entretenimento e a sua relação com a televisão, que teve a participação de Júlio Isidro (apresentador de televisão e rádio), Pedro Rolo Duarte (jornalista e comunicador) e Rui Vieira Nery (Professor da Universidade Nova de Lisboa, doutorado em musicologia pela Universidade do Texas, em Austin).

  Em maio, foram apresentadas as obras 1987 – Tempos da Música (dia 2); Pierrot Lunare, RTP 1998 (dia 9); Casta Diva, RTP 1993, com a presença de Olga Roriz (dia 16). O debate temático mensal, sobre a música, a dança e a sua relação com a televisão, ocorreu a 25 de maio, numa sessão que teve a participação de Elísio de Oliveira (diretor da RTP 2 entre 2013 e 2015), Sérgio Azevedo (compositor e professor de composição e orquestração na ESML) e Vera Amorim (doutorada em Estudos Artísticos pela FLUL, professora da ESD).

Obra Completa Padre António Vieira

 

No dia 30 de maio, no Consello da Cultura Galega, em Santiago de Compostela, foi apresentada a Obra Completa Padre António Vieira, dirigida por José Eduardo Franco e por Pedro Calafate.

  Este evento teve a participação de Ramón Villares (presidente do Consello da Cultura Galega), José Miguel Sagüillo Fernández-Vega (decano da Faculdade de Filosofia da Universidade de Santiago de Compostela), Acílio Estanqueiro Rocha (professor catedrático da Universidade do Minho), Isabel Morán Cabanas (professora titular do Departamento de Filologia Galega da Universidade de Santiago de Compostela), José Eduardo Franco (diretor da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização, da Universidade Aberta) e Pedro Calafate (professor catedrático da Universidade de Lisboa).

 

 

Caminhos portugueses para Compostela

  A 31 de maio, na Universidade Aberta (Palácio Ceia), Manuel Araújo, do Arquivo Histórico do Porto, apresentou uma palestra sobre os Caminhos portugueses para Compostela, sessão que contou com a presença de David T. Orique, Professor de Providence College (Rhode Island, EUA).

Feira do Livro de Lisboa

  Por iniciativa da pró-reitoria para o Desenvolvimento Institucional e os Assuntos Jurídicos da Universidade Aberta e em colaboração com a Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização e a APEES – Associação Portuguesa de Editoras do Ensino Superior, no dia 3 de junho, no Auditório da Feira do Livro de Lisboa, decorreu o debate subordinado ao tema O regresso aos fundamentos: a urgência de publicar as fontes da cultura, língua e sociedade portuguesa, com a participação de João Luís Cardoso, professor catedrático da Universidade Aberta, José Eduardo Franco, diretor da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH/UAb), Carlos Carreto, professor da Universidade Aberta, e Annabela Rita, professora da Universidade de Lisboa.

  A 10 de junho, o debate foi sobre a temática A relação entre editores, professores do ensino superior e investigadores. Neste evento, estiveram presentes Sara Pina (doutoranda do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa e professora da Universidade Lusófona), João Relvão Caetano (Universidade Aberta e APEES), José Eduardo Franco (diretor da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização – CIDH/UAb), Nuno Medeiros (Universidade Nova de Lisboa e Instituto Politécnico de Lisboa), Rui Beja (antigo presidente da APEL) e Alexandra Martins (Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lisboa).

 

 

Congresso Internacional do Espírito Santo. Génese, Evolução e Atualidade da Utopia da Fraternidade Universal

A primeira fase do Congresso Internacional do Espírito Santo. Génese, Evolução e Atualidade da Utopia da Fraternidade Universal ocorreu na Universidade de Coimbra, nos dias 16 e 17 de junho de 2016.

A segunda fase será a 14 e 15 de setembro, em Lisboa, e a última entre os dias 16 e 18 de setembro, em Alenquer.

 

Seminários à Hora de Almoço | abril-junho de 2016

  Por iniciativa do Círculo de Cipião – Academia de Jovens Investigadores, do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias (CLEPUL - FLUL), da Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH) e da Tertúlia Letras com Vida, realizou-se, a 5 de abril, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, a sessão LXXXVI dos Seminários à Hora de Almoço, na qual Pamela Puppo falou sobre o tema Afinal, o homem já não veio do macaco? Genética eevolucionismo: o estado atual de uma grande questão científica.No dia seguinte, no Campus da Penteada, na Universidade da Madeira, Gaia Bertoneri discursou acerca da temática Ultrapassar o limiar: o pictorial turn na obra literária de Ana Teresa Pereira. A 7 e a 13 de abril, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Frei Herculano Alves, da Ordem dos Frades Menores Capuchinhos, discorreu sobre A influência da Bíblia na literatura medieval portuguesa, e Mário Avelar, da Universidade Aberta, sobre Literatura e cinema.A 20, 21 e 22 de abril, decorreram as sessões XC, XCI e XCII, nas quais João Peixe, da Universidade do Minho, falou sobreMagia e religião em atos de cura supersticiosos: esboço de uma abstração,Yamil Jasa sobre Biodanza e sociedade. Do sonho à realidade,eJoão Luís Nunes, da Universidade de Coimbra, sobre As primeiras mulheres matemáticas na Universidade de Coimbra.

Na sessão XCVII, de 1 de junho, Augusto Moutinho Borges falou sobre o Hospital dos Estudantes da Universidade de Évora: história e arquitetura.Na sessão seguinte, a 8 do mesmo mês, João Miguel Tavares respondeu à pergunta Porque é que Portugal tem um problema tão grande com o liberalismo? Carlos Carreto, da Universidade Aberta, foi o convidado de 15 de junho, tendo falado sobre o tema Economia e literatura na Idade Média: genealogia de uma metáforaNa sessão seguinte, a 22 de junho, Rui Soares, presidente da Associação Internacional de Paremiologia, discursou sobre os Provérbios e entendimento global.Na última sessão do mês, a 29 de junho, Rui Rego e Rafael Coutinho apresentarão o tema Será que nos podemos livrar do medo dos deuses, do destino e da morte? A doutrina epicurista e a sua crítica.

 

 

 

Publicação de Lugares Sagrados de Portugal

 

   Os lugares sagrados são marcos identitários fundamentais, para grupos específicos ou instituições, para um povo-nação ou para um povo-país. Naquele que é hoje o território português, eles são marcos incontornáveis dos processos e dos ciclos da humanização da paisagem, assinalando a passagem das eras históricas, das civilizações e das metamorfoses das culturas identitárias. Os lugares sagrados são, na verdade, fontes poderosas de produção de cultura e lugares-símbolos do património de sentido de cada povo.

  Obra dirigida por José Eduardo Franco e coordenada por Joana Balsa de Pinho,Lugares Sagrados de Portugal, publicada em dois volumes pelo Círculo de Leitores, apresenta como objetivo principal não o de relevar a ideia de Portugal como território sagrado no seu todo, mas o de mostrar, ao grande público do nosso país e àqueles que nos visitam e nos querem conhecer, a grande diversidade de lugares sagrados que ele oferece. Considerados, marcados, construídos  ao longo da macro-história da humanização do território que hoje se chama Portugal, desde a mais remota Pré-História até ao século XXI, estes lugares que sinalizam todo o território nacional contam de algum modo a história sagrada dos povos, culturas, religiões e civilizações que tiveram presença no espaço português.

   Franco, José Eduardo (dir.); Pinho, Joana Balsa de, Lugares Sagrados de Portugal, 2 vols., s.l., Círculo de Leitores, 2016, ISBN: 978-972-42-5010-6.